BLOG

Blog
  • Clínica do cuidar

A integração psicossomática em Odontologia!

A Odontologia se modernizou muito nos últimos anos. Hoje, se faz pesquisa em larga escala na nossa profissão, como em qualquer outra especialidade médica. Novas técnicas, novos equipamentos e aparelhos de última geração estão disponíveis nos consultórios odontológicos, graças ao estudo e investimento de grandes profissionais e empresas espalhadas pelo mundo inteiro.




É muito diferente fazer um tratamento de canal hoje, por exemplo, do que era no final do século passado. Novas descobertas e técnicas, novas possibilidades, tanto no que diz respeito ao diagnóstico, tratamento e prevenção refletem diretamente no conforto pessoal, na qualidade de vida e na longevidade das pessoas.

A profissão, cada vez mais especializada, nos enche de conhecimento e qualidade técnica e amplia nossas possibilidades para satisfazer os mais exigentes desejos estéticos e funcionais no tratamento odontológico.

Porém, com todo esse aparato, fica uma pergunta – até onde todo esse cientificismo serve o Ser Humano, no sentido de lhe trazer felicidade? Até onde essa instrumentalização da clínica lhe dá dignidade, cuidado e valorização?

No dia-a-dia da clínica, nós, profissionais da saúde, nos deparamos com situações a respeito do adoecimento humano, que vai além da técnica e do conhecimento especializado, que nos pedem um olhar integrador de cuidado ao Humano. A doença, muitas vezes, se manifesta no corpo físico, como uma ameaça à sua integridade psico-somática. O profissional, então, deve estar centrado nos sintomas físicos, mas sensível às demandas emocionais do paciente e suas subjetividades.

Para que o trabalho de um profissional seja eficiente e ao mesmo tempo humanizado são necessários conhecimento, qualidade técnica e indubitavelmente, uma boa qualidade de inter-relação humana. Deve contemplar uma visão antropológica do ser humano, muito além do aspecto fisiopatológico, muito além da formação técnico-científica.

O progresso da ciência só será benefício ao homem se estiver a serviço do compromisso ético e humanista, que envolve solidariedade, empatia e reconhecimento das necessidades afetivas de cada pessoa.