BLOG

Blog
  • Clínica do cuidar

PRECISO USAR ENXAGUANTE BUCAL?

“Esse produto é usado para higiene bucal  e vendido sem nenhum tipo de orientação. Porém, ele só é benéfico para quem tem doenças periodontais. Para as outras pessoas, seu efeito é nulo.”

Fazer um bochecho com o enxaguante bucal depois de escovar os dentes dá aquela sensação refrescante e ainda deixa um gostinho bom na boca. 

Muita gente usa o produto como parte da rotina de higienização, mas será que ele é realmente necessário? Como deve ser escolhido e utilizado?

Antes de qualquer coisa, ele não substitui a escovação.





Somente uma boa escovação e o uso de fio dental são suficientes para combater as placas bacterianas, limpar os dentes e a gengiva dos restos de alimentos. 

Salvo em alguns casos como, doenças periodontais ou pacientes em fase pós-operatória, a recomendação de uso do produto sempre é  do cirurgião-dentista, do contrário não será benéfico podendo inclusive aumentar o mau hálito. 

Mesmo no caso daqueles pacientes em que o cirurgião-dentista recomenda o uso, é ele quem vai orientar o tempo e frequência  de uso. 

Existem os indicados para a higiene pós-cirúrgica; os que contêm flúor para controle de cárie e os que possuem substâncias antibacterianas. 

Os pacientes que têm diabetes devem relatar ao dentista, no caso da recomendação, porque alguns enxaguantes possuem corante que apresentam um nível de açúcar mais elevado. 

Enxaguante à base de clorexidina, apesar de ser vendido sem prescrição, é indicado em casos de cirurgias e pacientes com problemas periodontais.

Deve ser usado apenas por 15 dias, pois pode deixar manchas nos dentes, descamar a bochecha e até causar alteração no paladar.

O enxaguante bucal possui  ação bactericida, mas não consegue penetrar nem remover 99,9% das placas e bactérias e os restos de alimentos entre os dentes, como as propagandas prometem. E não deve conter álcool.